Dicas para Condomínios

direito-condominial

O que todo síndico deve saber sobre direito condominial

Ser síndico é uma responsabilidade e tanto, que vai muito além dos controles financeiros e da gestão geral do prédio. Além disso, este profissional precisa assumir compromissos, respeitar e compartilhar regras coletivas e, preferencialmente, ter um bom conhecimento sobre direito condominial.

E é justamente sobre este último assunto, que vamos abordar ao longo de nosso post, trazendo informações e dicas úteis referentes ao tema, a sua real importância para a rotina de um síndico e como isso interfere na gestão do condomínio como um todo.

Quer saber mais sobre direito condominial e ficar por dentro de tudo o que um bom síndico deve saber? Então, continue até o final e tome nota!

Boa leitura!

Afinal, o que define o direito condominial?

Na prática, é o direito condominial que visa estabelecer e providenciar a ordem dentro dos condomínios, por meio da definição e aplicação de regras, normas e leis de responsabilidades e convivência.

Assim, é através dessa área do direito que se torna possível amparar legalmente síndicos, condôminos e colaboradores do prédio perante a justiça, para qualquer que seja a ocasião, garantindo dessa forma que direitos e deveres sejam preservados.

Além disso, vale destacar que o direito condominial não serve unicamente para designar atividades ao síndico responsável, como também estabelece de forma o que é ou não de sua competência, tornando as regras mais transparentes e claras dentro deste ambiente.

Qual a importância do direito condominial para o síndico?

Como bem resumimos acima, o direito condominial funciona como amparo legal sobre as atividades e responsabilidades de todos os envolvidos dentro de um condomínio.

E evidentemente, ele se faz ainda mais importante para o síndico, pelo fato deste ser eleito o principal gestor daquele empreendimento.

Vale ressaltar que todo condomínio deve contar com o suporte profissional de advogados ou assessorias especializadas. Porém, isso não elimina, por completo, a necessidade de o síndico também conhecer os conceitos básicos e principais leis que abrangem o direito condominial.

E para entender melhor a importância deste conhecimento, enumeramos algumas responsabilidades que o direito condominial trata na prática. Confira! 

  • Segurança Jurídica – orientação e assessoria jurídica preventiva para o sindico e o conselho de administração.
  • Análise de contratos – isso inclui tarefas, por exemplo, como: elaboração, revisões, orientações e até mesmo a gestão burocrática;
  • Pareceres e Notificações – elaboração, orientação e monitoramento;
  • Cobranças judiciais e extrajudiciais em casos de inadimplência, atrasos e outros problemas financeiros entre condôminos;
  • Elaboração ou alteração de políticas internas, convenções ou estatutos;
  • Organização e acompanhamento das assembleias gerais ordinárias e extraordinárias;
  • Acordos e negociações com inadimplentes e clientes em situações irregulares no condomínio.

Os pontos essenciais que todo síndico precisa saber sobre direito condominial

Vista a importância do direito condominial para a organização e definição de responsabilidades dentro de um condomínio, podemos partir agora para o que, de fato, compete ou não ao papel do síndico neste ambiente.

Vale reforçar ainda que o direito condominial estabelece direitos e deveres não apenas da gestão, mas do coletivo como um todo, incluindo assim os condôminos e colaboradores do prédio.

E para entender melhor quais são as principais responsabilidade do síndico perante o que dita o direito condominial, nós destacamos as seguintes dicas. Confira!

Conhecer e cumprir seus deveres

O primeiro e, talvez, mais importante passo para um síndico ter conhecimento mais amplo sobre o direito condominial é conhecer seus deveres enquanto gestor do empreendimento.

E para isso, tais informações podem ser encontradas no artigo 1348 do código civil brasileiro, conforme resumimos com maiores detalhes a seguir.

São deveres do síndico: 

  • convocar a assembleia geral;
  • representar o condomínio, praticando os atos necessários em defesa dos interesses dos condôminos;
  • compartilhar imediatamente o conhecimento da existência de procedimento judicial ou administrativo na assembleia;
  • cumprir e orientar sobre a convenção, políticas internas e as regras estabelecidas;
  • zelar pela conservação, prestação dos serviços e a segurança de todas partes comuns do condomínio;
  • gerir o orçamento e receita anual;
  • cobrar contribuições e impor penalidades sobre inadimplência;
  • prestar contas;
  • cuidar de seguros e outras responsabilidades.

Ter direito a férias

Outra abordagem clara do direito condominial e que se refere a um direito do síndico responsável se aplica sobre ao período legal de férias deste profissional.

No entanto, esses detalhes precisam ser devidamente estabelecidos em assembleias gerais e cumpridos conforme a definição geral. Qualquer descumprimento, o síndico é passível de cobranças e até de processos na justiça.

Receber remuneração

Outra possibilidade inerente ao direito condominial se refere a remuneração do síndico durante o seu período de gestão.

No entanto, essa decisão é voluntária e também deve ser definida em assembleia, podendo ser realizada por meio de pagamento de honorários ou pela isenção/desconto de taxas condominiais.

Votar em assembleia

Além de convocar e presidir nas assembleias gerais do condomínio, o síndico também tem o direito e o dever de participar ativamente por meio de votações, opiniões e orientações sobre os temas abordados.

Morar ou não no condomínio

Outro fator muito importante abordado pelo direito condominial se refere a possibilidade de ser síndico, mesmo não morando no prédio em questão.

De acordo com o código civil brasileiro, é possível se tornar gestor do empreendimento, sendo condômino, proprietário de uma das unidades, inquilino ou profissional/empresa terceirizado.

Cobrar, monitorar e aplicar penalidades

Além de ser um dever, o papel de cobrança e aplicação de multas sobre inadimplência é um direito amparado pelas leis do direito condominial, que garante que qualquer irregularidade financeira ou que fujam das regras estabelecidas internamente possa ser cobrada e aplicada as devidas penalidades pela gestão.

Não ser importunado a qualquer horário

Apesar de o síndico assumir um papel contínuo sobre a gestão e fiscalização do prédio, é possível estabelecer em assembleias horários e regras para suas demandas e reclamações.

Logo, é direito do síndico possuir e definir momentos adequados para atendimento de solicitações dos condôminos.

Em resumo, essas são algumas dicas e informações úteis sobre o direito condominial e os pontos essenciais que todo síndico responsável precisa conhecer enquanto gestor do empreendimento.

E se você gostou e quer saber mais dicas como essas, não deixe de acompanhar o nosso blog e fique por dentro das próximas novidades e publicações.

Bomba de calor para aquecimento de água de banho

Bomba de calor para aquecimento de água de banho

Buscar economia no aquecimento da água de banho em hotéis, motéis, hospitais e condomínios é uma necessidade recorrente. Mas, fazer isso de uma forma que traga benefícios para gestores e usuários só será possível com o uso de uma bomba de calor.

Assim, se o seu negócio precisa economizar dinheiro no aquecimento de água, mas também quer priorizar a sustentabilidade neste processo, a bomba de calor certamente é a sua melhor opção.

Este tipo de tecnologia representa uma ótima solução para quem deseja realizar um fornecimento constante de água quente nas quantidades necessárias, de forma regular, confiável e econômica, para variados segmentos.

No entanto, não são todos os gestores que conhecem a tecnologia de uma bomba de calor, muitos não sabem como elas funcionam, nem quais são seus benefícios. Se este é o seu caso, o artigo de hoje é para você.

Com ele, você entenderá tudo sobre o funcionamento de uma bomba de calor, desde suas vantagens centrais até o porquê desse sistema ser a solução ideal para vários segmentos. Confira!

O que é uma bomba de calor?

Uma Bomba de Calor nada mais é do que um dispositivo que transfere energia térmica em forma de calor de um meio para outro. De forma mais específica, o sistema extrai do ar o calor necessário para aquecer um reservatório de água de banho ou boiler.

Este processo pode ser realizado por muitos outros dispositivos, mas estes costumam gerar muita energia e exigir um trabalho excessivo e oneroso.

Assim, cabe à bomba de calor funcionar como uma alternativa bastante viável, ao ponto de facilitar o processo e reduzir custos de forma drástica.

Padrão de funcionamento de uma bomba de calor

Como falamos anteriormente, a bomba de calor é um equipamento que tem a função de transferir energia térmica em forma de calor de um meio para outro.

Essa transferência é feita por meio de um fluído refrigerante que é totalmente ecológico. Essa substância é bombeada por um condensador diretamente para uma serpentina onde, em seguida, é evaporada em baixa pressão, absorvendo o calor do ambiente.

Logo depois, o fluido refrigerante é comprimido para um condensador, onde realiza a troca de calor com a água.

Em seguida, há uma segunda troca de calor que ocorre em um evaporador. Nele, o ar ambiente entra em contato com o fluido refrigerante.

Importante ressaltar que um ventilador também compõe o sistema. Cabe a ele auxiliar no processo de “puxar o ar” que entrou em contato com o fluido refrigerante e o envia ao ambiente externo. A partir daí, o ciclo é novamente iniciado.

Com base neste processo de funcionamento, a bomba de calor tem a capacidade de realizar o aquecimento da água em até 60°C, fazendo com que ela seja ideal para seu negócio.

Vantagens do uso de uma boa bomba de calor

Disponibilizar água quente à hóspedes, condôminos e pacientes 24 horas por dia, 7 dias por semana, a 60°C em qualquer época do ano e de forma sistemática: Essa é a grande vantagem do uso de uma bomba de calor da Fasterm em hotéis, condomínios, hospitais e motéis.

Mas há outras vantagens que dão a este excelente equipamento grande protagonismo no aquecimento de água nestes segmentos, tais como:

Muito mais eficiência

A bomba de calor da Fasterm não depende de fatores externos para seu pleno funcionamento. Algo muito diferente quando a comparamos com outros sistemas de aquecimento de água, como o solar.

Este equipamento também é muito mais eficiente quando comparado com aquecedores a diesel, lenha ou gás natural, que podem não serem capazes de suprir totalmente a demanda de uma edificação caso haja falta de combustível.

Muito mais economia no aquecimento de água

Quando comparada a sistemas elétricos, a bomba de calor Fasterm consome até 3 vezes menos energia para aquecer a mesma quantidade de água.

Diante disso, fica fácil afirmar que as bombas de calor são bem mais econômicas, apresentando um investimento de alto retorno, com payback garantido. Ou seja, o investimento compensa em muitos aspectos relacionados ao empreendimento.

São bem mais adaptáveis

A eficácia desse tipo de sistema oferecido pela Fasterm é comprovada pela sua adaptabilidade tanto às regiões de grande calor como de frio. A bomba de calor é dimensionada de acordo com as características de cada empreendimento, garantindo o perfeito atendimento à demanda de cada cliente.

Além de garantir sua adaptação para praticamente qualquer situação, essa customização auxilia o gestor a tirar sempre o máximo proveito do equipamento.

Baixo custo operacional

Este é um sistema que não requer o uso de mão de obra especializada, já que sua manutenção é simples e feita apenas uma vez por semana. Este processo consiste basicamente em lavar as aletas do radiador com jatos de água de uma mangueira comum.

A tecnologia é ainda de fácil manejo, uma vez que permite que um controlador eletrônico seja responsável por manter a água na temperatura programada pelo operador.

Dessa forma se você gerencia um hotel, condomínio, hospital ou até um motel e depende do aquecimento constante da água, a bomba de calor Fasterm é sua melhor opção. Vale a pena conhecer suas funcionalidades.

Bomba de calor Fasterm FT 105 – a sua melhor opção em aquecimento de água

Com foco em garantir um aquecimento constante para hotéis, condomínios, hospitais e motéis, a Fasterm oferece ao mercado a sua bomba de calor modelo FT 105.

Este equipamento associa eficiência no aquecimento da água com maior economia e menor consumo de energia elétrica, pois aquece a água através da absorção e transmissão de calor retirado do ar (fazendo a função inversa à de um ar condicionado) aquecendo a água do boiler até 60°C.

Investir nessa bomba de calor é também uma forma de demonstrar que seu empreendimento investe em tecnologias que gerem economia e promovem a conservação e sustentabilidade do meio ambiente.

Este produto possui também fácil instalação e integração a sistemas pré-existentes, além de ocuparem pouco espaço.

Agora que você conhece as funcionalidades da Bomba de calor Fasterm, aproveite e entre em contato conosco para maiores informações.

tendências para condomínios

Conheça as últimas tendências para condomínios

Com o aumento da verticalização das cidades e da própria mudança de hábitos das pessoas, diversas tendências para condomínios surgiram nos últimos anos e, ao que tudo indica, muitas delas já se tornaram uma realidade em muitas regiões do país.

De infraestruturas cada vez mais completas, até novas tecnologias e conceitos de moradia, todas essas novidades parecem revolucionar a forma de viver e de interagir dos moradores com suas casas e sua vizinhança.

E para conhecer um pouco melhor sobre o que há de mais inovador nos condomínios, nós preparamos este post com dicas e informações relevantes sobre o tema.

Vamos conferir? Então, boa leitura!

8 tendências para condomínios

Ano após ano, o setor imobiliário se reinventa no Brasil, sempre agregando novos conceitos e tendências para condomínios.

No entanto, os últimos dois anos foram marcados por inúmeras mudanças e comportamentos pessoais, principalmente por conta da pandemia de Covid, o que acarretou em uma corrida por adaptações e inovações em diversas construções e em novos projetos.

Sendo assim, confira a seguir algumas dessas novidades.

1. Coworking no condomínio

Com o aumento do home-office e de profissões mais flexíveis em relação ao horário e local de trabalho, o conceito de coworking já vinha crescendo pelo Brasil e, consequentemente, isso chamou a atenção de síndicos, administradores e de construtoras também.

Não é à toa que diversos condomínios passaram a criar ambientes específicos com “escritórios coletivos” para que seus moradores tenham a possibilidade de trabalhar e interagir com outras pessoas no mesmo local, com infraestrutura adequada, acesso a internet e, até mesmo, com direito a serviços essenciais, como café, limpeza e recepção.

2. Espaço delivery

Outro exemplo entre as principais tendências para condomínios se refere a um conceito inovador para agilizar e agregar mais segurança às entregas de encomendas. Trata-se da ideia de se criar um “espaço para deliveries”, onde o entregador tem acesso limitado a este local, sem precisar ir até a porta do morador e frequentar outros ambientes do prédio.

Assim, o comprador pode buscar diretamente seus pedidos neste local ou mesmo contar com o suporte de um funcionário do próprio condomínio.

3. Mercados internos

Entre as principais tendências para condomínios que mais crescem nos últimos anos, vale destacar também a presença de mini-mercados internos, alguns, inclusive, totalmente automatizados e sem a presença de funcionários.

Ou seja, por meio de QR Codes e outras tecnologias, o morador pode realizar pequenas compras praticamente sem sair de casa ou ter que depender de vendedores. Este conceito também é conhecido como Honest Market.

A ideia desta tendência é proporcionar mais praticidade e segurança aos condôminos, especialmente para compras mais básicas e rápidas.

4. Portaria inteligente

Um exemplo de tendência para condomínios que se popularizou com a chegada da pandemia foi o advento de portaria inteligente e automatizada.

Na prática, há uma infinidade de tecnologias agregadas a este conceito, desde a possibilidade de abertura de portões à distância e pelo celular, até centrais de porteiros e zeladores remotas.

Além disso, sistemas de segurança mais avançados, como o uso de biometria e até de reconhecimento facial já são uma realidade em muitos condomínios também, o que torna o acesso dos moradores mais seguro e confiável.

5. Espaços comuns mais amplos e diversificados

Uma característica marcante dos condomínios mais modernos se refere a disponibilidade de espaços coletivos mais amplos e diversificados, tais como áreas de lazer, quadras poliesportivas, piscinas, salões de festas, academias, jardins, entre outros.

Com isso, os condomínios buscam trazer para dentro de suas próprias estruturas serviços mais completos e que, cada vez mais, dispensam a necessidade do morador sair às ruas para buscá-los lá fora.

6. Lockers inteligentes

Os lockers são espécies de armários inteligentes que podem servir para diversos fins em condomínios, seja para recebimento de encomendas, seja como guarda-volumes temporários.

Dessa forma, por exemplo, um entregador pode depositar a entrega de produtos a qualquer hora do dia, mesmo que o morador não se encontre no local. Depois, por meio de senhas ou de um QR Code, o comprador poderá retirar o seu pedido e disponibilizar o mesmo armário para outros usuários.

7. Luzes inteligentes

Visando reduzir custo e o consumo de energia em locais estratégicos do prédio, o advento dos sensores e outros sistemas inteligentes de iluminação também podem ser considerados tendências para condomínios.

Na prática, ambientes como escadas, banheiros, corredores e outros espaços com menor fluxo passam a utilizar suas lâmpadas unicamente com a presença de pessoas nesses locais e sem a necessidade de interruptores e controles manuais.

Evidentemente, isso permite reduzir de forma significativa o consumo de energia e, claro, as contas para a administração no final do mês.

8. Sustentabilidade

Outro destaque entre as principais tendências para condomínios se refere ao conceito de sustentabilidade nos mais variados aspectos de um projeto imobiliário.

Por exemplo, projetos de reaproveitamento de águas pluviais, coleta seletiva de lixo, reciclagem e hortas coletivas.

Além disso, diversos empreendimentos têm investido em soluções mais modernas e inteligentes em relação aos seus sistemas de aquecimento de água, tendo em vista que isso pode representar altos custos e impactos ambientais.

Hoje já existem equipamentos específicos que utilizam a retirada de calor do ar para gerar aquecimento e reduzir drasticamente o custo desse sistema, agregando também mais sustentabilidade e economia ao condomínio.

Em resumo, essas são algumas das principais tendências para condomínios que mais têm marcado as mudanças do setor imobiliário nos últimos anos e, claro, gerado novas experiências e conceitos, tanto para os moradores, como para os gestores, e também para o meio ambiente e a sociedade como um todo.

5 dicas para aumentar a segurança no seu condomínio

Segurança no condomínio: 5 dicas de proteção

O assunto está sempre presente no dia a dia de síndicos e administradoras de condomínios. Afinal, grande parte das escolhas por um condomínio é motivada pela segurança e, para assegurá-la, é necessário que os responsáveis pela gestão estejam atentos à mudança de hábito dos condôminos, à instalação de sistemas mais modernos e à capacitação de funcionários.

Nem sempre isso é tarefa simples, mas nós separamos algumas dicas que irão te ajudar a aumentar a segurança no seu condomínio. Confira!

1. Estabeleça normas claras

A primeira coisa que condôminos e funcionários precisam compreender é que a segurança de um condomínio só é eficaz quando um conjunto de medidas diversas é adotado. Portanto, o primeiro passo é o estabelecimento de normas claras que moradores e profissionais devem seguir no dia a dia, até que se torne um hábito.

Algumas dicas que você pode adotar imediatamente: não deixar as chaves do apartamento ou conjunto comercial na portaria, não acionar o portão automático da garagem a longas distâncias e realizar reuniões periódicas com os condôminos para tratar da segurança predial.

2. Contrate funcionários especializados

É importante se certificar de que os funcionários são capacitados para lidar com as normas de segurança estabelecidas, além de assegurar que os responsáveis pela manutenção do condomínio prezam por soluções mais assertivas, econômicas e que prezem pelo bem-estar dos condôminos.

Uma dica é que síndicos e administradoras realizem um período de testes para avaliar se porteiros, zeladores e outros colaboradores de fato são capazes de zelar pela segurança coletiva.

3. Use a segurança eletrônica

A instalação de câmeras de vigilância, sensores, sistemas de alarme e serviços de comunicação, entre outros, são grandes aliados de síndicos e administradoras para manter a segurança de um condomínio. Há ainda recursos físicos importantes, como a instalação de clausuras nas entradas de pedestres e de veículos, assim como a possibilidade de acesso via código pessoal ou por cartão de acesso individual.

Mas é sempre importante ressaltar que os equipamentos por si não fazem milagres. Seu condomínio precisa contar com um time de profissionais capaz de identificar anormalidades nas imagens e saber como agir em casos de emergência.

4. Os condôminos podem – e devem – colaborar

Mesmo com todo o equipamento e a medidas de segurança asseguradas, os condôminos precisam fazer a sua parte ao seguir atentamente as normas estabelecidas.

Não abrir as portas a estranhos, por exemplo, evita muitos problemas. Outra medida simples, mas de grande valia, é descer para receber entregadores de cartas, encomendas e comidas, não permitindo o acesso ao interior do prédio. Esse hábito precisa ser adquirido por quem deseja aumentar a segurança do condomínio.

5. Verifique a manutenção dos equipamentos

Grades, portões, elevadores, sistema de vigilância. Tudo deve estar operando normalmente para que síndicos e administradoras proporcionem o máximo de segurança aos condomínios. Portanto, invista na manutenção periódica destes e todos os demais equipamentos do edifício.

Uma dica é optar por soluções que exigem menos manutenção. Essa ação evita dores de cabeça com equipamentos parados e também reduz o número de pessoas estranhas entrando no edifício para realizar os consertos.

Um exemplo são os sistemas trocadores de calor para aquecimento de água em vez das antigas caldeiras, que proporcionam muito mais segurança e exigem menos cuidados com manutenção.

Os síndicos e administradores que seguem essas poucas normas irão proporcionar muito mais segurança aos condôminos. Em caso de dúvidas, contrate empresas especializadas. E se quiser saber mais sobre como melhorar a gestão do seu condomínio, não deixe de conferir outros conteúdos exclusivos da Fasterm!

Entenda a importância de gerenciar o condomínio de forma profissional e garanta a satisfação dos moradores!

 

O SÍNDICO COMO GESTOR: 5 DICAS PARA GERENCIAR O CONDOMÍNIO DE FORMA MAIS PROFISSIONAL

Como gerenciar um condomínio: 5 dicas para gestão

Acima de tudo, um bom síndico entende seu valor e a importância de sua função. Por isso, saber buscar a melhoria em seus processos ajuda a gerir o condomínio e beneficia os seus condôminos.

Esta conduta muito se assemelha à utilizada por gestores de empresas. Assim como eles, o síndico deve estar atento a uma série de responsabilidades que envolvem RH, orçamento previsto, contas a pagar e a receber… Tudo para garantir a satisfação e o bem-estar dos moradores.

Da mesma forma, a relação entre condomínio e empresa são grandes. A seguir, mostramos 5 modos de gerenciar seu condomínio como uma empresa, de forma organizada. Confira:

Buscar inovação

Desconfie das tarefas realizadas há muito tempo da mesma forma. Pode-se estar acomodado e preso em um ciclo. Procure achar maneiras mais eficientes de realizar os trabalhos. Portanto, veja como realizam em outros condomínios.

O bom síndico, no papel de um gestor, deve entender o papel de cada colaborador do condomínio. As etapas para a realização de cada função e com isso, estar aberto a ouvir críticas e sugestões de melhorias. Muitas vezes os próprios colaboradores são capazes de contribuir com sugestões úteis sobre como realizar melhor os trabalhos.

A inovação pode vir de diversas formas. Um sistema automatizado de abertura de chamadas pelos condôminos, novos métodos de controles de incêndio, elevadores com sistema inteligente, uma nova solução de aquecimento de água, temporizadores mais inteligentes, ou até na forma de coletar água de chuva são exemplos de inovações.

Cabe ao síndico estar a par das novidades da área de manutenção e gestão predial e aderir a que mais se adequa para seu condomínio.

Saber delegar também é saber gerenciar o condomínio

Por outro lado, um gestor carregado de funções se torna ineficiente. Portanto, saber delegar e ter confiança em seus colaboradores é crucial para o bom andamento da organização.

Dar e receber feedbacks, acompanhar e prover um ambiente que permita o crescimento de seus colaboradores, é muito benéfico para a empresa.

Uma forma de delegar é a contratação de uma administradora predial, uma assessoria jurídica, um auditoria mensal das contas condominiais e até a terceirização de alguns serviços de manutenção predial.

Planejamento e gerenciamento estratégico de recurso

O comandante Rolim, fundador da empresa TAM, que iniciou suas atividades como uma pequena empresa de táxi aéreo e hoje em dia é uma das três maiores companhias aéreas do Brasil, dizia que a melhor maneira de começar a ganhar dinheiro é parar de perder dinheiro.

O respeito pelo bem comum é básico para a figura do bom gestor. O dinheiro que o condomínio ganha é fruto do seu próprio esforço e é entregue à administração em troca da prestação de serviços. Portanto, prezar pelo bom uso deste dinheiro, saber investir, poupar e saber como funciona o planejamento anual do condominio é fundamental.

A forma de uso dos recursos é importante, para que todos os condôminos saibam no que estão sendo investidos o dinheiro, seja em taxas de condomínio, folha de honorários e/ou pagamento de fornecedores, por exemplo.

Essa transparência é parte da boa interação entre o síndico e seus condôminos, o que nos conduz ao próximo item:

Ter boa comunicação é essencial para gerenciar um condomínio

O síndico precisa ser claro em sua fala e cortês no trato com os condôminos, porém firme em suas decisões. Na vida em sociedade, conflitos são inevitáveis. Cabe ao síndico saber lidar com o regulamento do condomínio e às leis da cidade, do estado e do país que regem sua gestão, mediar os conflitos com calma e ser justo em seu julgamento.

Buscar tentar orientar os envolvidos em prol do mesmo objetivo. O melhor ambiente de convivência, está longe de ser uma tarefa fácil, porém é crucial que as decisões vistas por todos prezem o bem comum.

Conhecimento das leis relativas à sua função

Sem dúvidas, para gerir o condomínio os responsáveis devem conhecer as leis referente aos serviços que prestam, as normas de qualidade dos itens que pretendem fazer ou revender, como funciona o código de defesa do consumidor (no caso de uma rede varejista), por exemplo.

Em um condomínio, a parte legal pode ser ainda mais complexa, visto que a ideia é gerir o interesse das pessoas que partilham os mesmos locais.

Portanto, é crucial que o síndico se mantenha a par do básico sobre as leis condominiais, além de ter bom conhecimento do regulamento interno, e garantir que este (lei menor) não vá contra as leis do município, e do estado, ou contra o Código Civil.

Nestes casos, retornando ao item sobre saber delegar funções, pode ser interessante a contratação de uma assessoria jurídica. Porém, mesmo assim, é essencial que o síndico saiba o mínimo, de modo a realizar as suas funções sem problemas.

Em conclusão, quer começar a aplicar essas estratégias e garantir mais eficiência na gestão do seu condomínio? Conheça a solução de aquecimento de água. E toda a economia que ela proporciona para o seu prédio! Faça uma simulação agora!

O que o condomínio não pode deixar de oferecer aos moradores

Como escolher um condomínio? Fatores de decisão

Escolher um apartamento envolve vários fatores importantes que vão muito além do imóvel, em si. A localização é um dos fatores importantes para escolher um condomínio, além disso, a acessibilidade, segurança, conservação e adicionais, como vagas de garagem, academia e playground, são questões que precisam ser colocadas na ponta do lápis na hora de tomar uma decisão.

Para quem já mora em um condomínio, uma questão que está sempre em pauta nas assembleias é a economia. Reduzir custos sem comprometer o conforto dos moradores é uma fórmula complicada, mas com muitas soluções interessantes.

Abaixo, listamos alguns itens a ser considerados tanto para você que pensa em comprar um novo imóvel quanto para você que deseja melhorar os recursos de seu prédio atual. Confira!

O que você vai ler neste artigo:


Comece pela localização na hora de escolher um condomínio

Em grandes cidades, viver próximo ao trabalho ou perto do transporte público é indispensável para a melhoria na qualidade de vida, pois livra você dos intermináveis engarrafamentos.

O quanto vale a pena investir para ter essa comodidade?  Essa questão precisa ser estudada para a escolha do condomínio. Avalie a sua rotina, pense o quanto o tempo vale para você antes de definir uma área interessante para comprar ou alugar o seu imóvel.

Defina o uso que você vai dar ao apartamento

Se você passa o dia inteiro no trabalho e pretende usar o apartamento apenas para tomar um belo banho e dormir, não há porque investir em um imóvel espaçoso com mais de um dormitório.

Já para aqueles que passam muito tempo em casa, possuem família e gostam de receber os amigos, é importante pensar em um apartamento mais amplo, com espaço para acomodar a todos. Leve essas informações em consideração, pois o preço é diretamente proporcional ao tamanho do imóvel.

O que o condomínio precisa oferecer?

Academia, piscina, quadras, playground e outros extras podem fazer a diferença para quem vive uma vida mais ativa ou tem filhos. Se você tem carro, verifique se o imóvel possui vaga na garagem. Se você gosta de receber amigos, dê uma olhada no salão de festas e em outras áreas comuns, como churrasqueira.

Entretanto, quanto mais recursos o prédio oferece, maior o valor da taxa de condomínio. Por isso, é importante colocar na balança para escolha do condomínio, basta pensar, o quanto esses benefícios serão utilizados e o quanto eles podem gerar em economia.

Por exemplo: a academia é boa o suficiente para que você deixe de pagar esse serviço em outra localidade? E a piscina: é grande o suficiente para você realizar o seu treino?

Atenta-se a taxa condominial na escolha do condomínio

São vários os fatores que impactam nessa tarifa, sendo o mais sentido o custo com os funcionários do prédio. Além disso, os itens de lazer mencionados anteriormente demandam manutenção, e manutenção custa dinheiro.

Mesmo quando falamos de condomínios antigos, o problema é ainda maior: sistemas hidráulicos e elétricos defasados causam vários transtornos, como interrupção temporária de fornecimento de água e luz, isso sem falar nos altos custos de reforma. Quando o problema é fora de seu apartamento, a conta é dividida entre todos os condôminos.

E como economizar?

A taxa de seu condomínio atual está alta demais? Você pretende mudar para um prédio novo e não concorda com essa tarifa?

Há alguns itens que podem ser levados em discussão para o bem de todos na escolha do condomínio. Um deles é a terceirização da mão de obra. Se por um lado perde-se o hábito de contar com funcionários de longa data que já conhecem os moradores e a rotina do prédio, por outro é possível economizar muito contratando empresas especializadas, desonerando a folha de pagamento.

Outro item a ser levado em consideração, porém muito pouco falado, é a valorização de um sistema central de água aquecida no condomínio, que conte com soluções inovadoras e muito mais econômicas.

Estima-se que adotar um sistema de Bombas de Calor, por exemplo, ajuda a reduzir o gasto com água quente em um condomínio em até 75%. Isso porque esse tipo de sistema transfere o calor extraído do ar ambiente ou recebido de outro dispositivo para a água a ser aquecida, ajudando a economizar no custo geral de aquecimento!

Agora você já conhece alguns itens para levar em conta na hora de pensar em um novo imóvel ou para melhorar as condições de seu condomínio atual.

E se deseja mais informações sobre soluções econômicas para o seu prédio, confira o quanto você pode economizar com a Solução de Aquecimento de Água da Fasterm. Simule uma economia!

trocador de calor em condomínios

Trocador de calor para condomínios: O que é?

Então você já ouviu falar em bombas de calor? Aposto que sim, a bomba de calor ou, o trocador de calor são usados em condomínios e outros empreendimentos para economizar no aquecimento de água.

Não raramente, os custos com aquecimento de água estão entre as maiores despesas de um condomínio predial. Não é à toa que grande parte dos síndicos e administradoras de condomínio se questionam sobre qual a melhor forma gerir esses gastos, sempre buscando alternativas mais assertivas para o aquecimento.

Nesse cenário, os Trocadores de Calor, ou Bombas de Calor – solução comum em regiões da Europa, Estados Unidos, Canadá e dos países asiáticos líderes -, se destacam como um sistema altamente eficiente que não só se adequa a diferentes demandas, mas também pode gerar até 75% de economia nos custos de aquecimento do condomínio.

E o melhor: sem comprometer o conforto de garantir água quente e em quantidades regulares e confiáveis a qualquer momento do dia, em qualquer época do ano!

Confira, neste artigo, os benefícios de investir no trocador de calor em seu condomínio, descubra como podem ajudar a economizar nas contas:

COMO FUNCIONA O TROCADOR DE CALOR

Um trocador de calor nada mais é do que um dispositivo que transfere energia térmica em forma de calor de um meio para outro. No caso do trocador de calor no condomínio, elas funcionam transferindo o calor que é extraído do ar – ou recebido de outro dispositivo – para a água a ser aquecida.

E isso em qualquer época do ano! Independente do dia estar ensolarado ou com sol encoberto!

Graças ao seu sistema de degelo automático, não é preciso ter preocupações com a temperatura irregular da água, mesmo em regiões onde a temperatura no inverno pode atingir marcas extremamente baixas: os trocadores de calor são eficazes em aquecer a água de banho no inverno com a mesma regularidade com que aquecem no verão.

Outra vantagem é que a tecnologia Fasterm permite fácil manejo do equipamento, sem dar qualquer dor de cabeça com manutenção. O controlador eletrônico de temperatura permite operação perfeita e visualização em tempo real da temperatura da água – que o usuário pode facilmente ajustar seja na própria Bomba de Calor ou seja através de um sistema (opcional) de gerenciamento à distância.

O equipamento possui ainda um sistema de sinalização de falhas, o que torna a manutenção, que já é simples, mínima e de baixo custo, ainda mais rápida.

Ou seja: trata-se de uma solução extremamente prática e altamente eficiente, que propicia enormes vantagens para quem precisa de água quente constante, garantindo o conforto dos condôminos e certamente diminuindo o valor da conta do condomínio!

Sobre a economia no condomínio

O trocador de calor no condomínio pode gerar uma economia de até 75% nos custos de aquecimento de água do seu condomínio, graças à sua tecnologia que aquece a água retirando o calor do ar, ou seja, não gera gastos com gás, diesel, lenha ou outros tipos de combustíveis.

A energia elétrica é utilizada apenas com a finalidade de manter o equipamento funcionando e não tem a mínima participação na produção de água quente – ou seja, o gasto é até 3,3 vezes menor do que o aquecimento através de resistência elétrica.

Ao analisarmos um comparativo real entre as performances dos Trocadores de Calor e outros, percebe-se claramente que a tecnologia de ponta das Bombas de Calor Fasterm faz com que elas sejam até três vezes mais econômicas do que os sistemas que utilizam resistência elétrica, por exemplo, pois para cada 1 kW de energia elétrica consumido pela Bomba de Calor são gerados, em média, 3 kW de calor.

Mas não apenas comparando-se com os custos de energia elétrica. As vantagens saltam à vista em relação a todos os outros sistemas. Entretanto, isso é demonstrado matematicamente, na ponta do lápis.

Além da economia com energia, os equipamentos da Fasterm foram projetados para ocupar pouco espaço, se adaptando ao sistema já existente e às necessidades de cada edificação, de forma que não é preciso grandes obras para instalá-los e nem é necessária a remoção do sistema instalado anteriormente.

Isso porque as Bombas de Calor Fasterm também podem ser utilizadas em paralelo com outros equipamentos, servindo até mesmo de backup, suprindo as carências do sistema principal de elevar a temperatura da água aos níveis necessários ao empreendimento.

Outra boa notícia é que o trocador de calor no condomínio também irá funcionar à base de energia limpa e renovável, não emitindo gases, fumaça ou quaisquer partículas nocivas no ar, como, por exemplo, o CO2, um dos principais gases do efeito estufa.

Assim, de quebra, você ainda participa de forma consistente com a sustentabilidade do planeta!

Tem interesse em garantir água quente para todo o prédio e ainda economizar até 75% nos custos com aquecimento de água? Fale com um de nossos especialistas!

Sem qualquer custo, a equipe Fasterm terá o máximo prazer em realizar ao seu lado estudos que lhe permitam tomar a melhor decisão analisando desde o pequeno investimento inicial, o rápido tempo de retorno (pay-back) e até formas de financiamento, de acordo com as necessidades e expectativas do cliente.

É só entrar em contato!

6 APLICATIVOS PARA MELHORAR A ADMINISTRAÇÃO DE CONDOMÍNIO

Aplicativos para a gestão do condomínio: Veja 6 apps

Quem é responsável por administrar um condomínio conhece bem os desafios enfrentados diariamente. Problemas corriqueiros, como carros estacionados fora das vagas e o engajamento de funcionários, se somam a situações graves, como vazamento de gás ou defeito em elevadores, exigindo de administradores e síndicos muita organização, mas calma, saiba que existem aplicativos para te ajudar na gestão do condomínio.

Nos últimos anos, administradores e síndicos passaram a contar com importantes aliados para facilitar o trabalho: os aplicativos de celular ajudam os condomínios em vários processos. Através de alguns toques em uma tela de smartphone, é possível realizar agendamento de reuniões de condomínio, discussão de assuntos pertinentes ao edifício, monitoramento da ronda de segurança e várias outras ações.

Os apps também são uma ferramenta importante na organização de tarefas – tanto as suas, como administrador, quanto as coletivas, que envolvem funcionários ou os membros do conselho do condomínio, por exemplo – o que simplifica bastante o dia a dia administrativo e até o convívio social!

Por isso, conheça abaixo 6 aplicativos que irão facilitar a sua vida na hora de administrar um condomínio:

1. CondomínioApp

O CondomínioApp surgiu com a ideia de descentralizar as ações do prédio, evitando que o síndico fique sobrecarregado com ações corriqueiras. Com ele, o morador pode reservar áreas comuns, como salão de festas e churrasqueira, ou liberar sua vaga de garagem para outro condômino.

Já o administrador pode controlar as solicitações dos moradores e enviar alertas e recados para todos os condôminos de uma só vez. O preço mensal varia de R$ 1,80 a R$ 3,50 por unidade.

2. Google Agenda

O Google Agenda é um grande organizador de compromissos gratuito que lhe ajuda a concentrar todas as informações de rotina em um mesmo lugar. De funcionamento bastante intuitivo, permite sua fácil adaptação às várias funções.

Você pode usá-lo para agendar reuniões ou como uma ferramenta de lembrete para ações diversas, como prazos para entregar documentos ou realizar pagamentos e cobranças. Outra opção é incluir os moradores em um determinado grupo (que você monta no próprio app) para trocar arquivos. Você pode usar online ou baixar o aplicativo no celular do condomínio.

3. King Condo para mais transparência e organização

O King Condo foi desenvolvido para trazer mais segurança, agilidade e transparência nos processos de gestão de condomínio. O aplicativo permite que você se comunique remotamente com condôminos e funcionários, automatize os processos de finanças, registre visitantes, realize assembleias virtuais, entre outras funções.

A mensalidade da plataforma varia conforme o número de unidades que integram o condomínio.

4. Use Trello como aplicativo para gestão de tarefas do condomínio

Se a sua agenda anda cheia de compromissos, use esse aplicativo no seu condomínio, o app certamente irá facilitar a sua vida. O Trello possui múltiplas funções visando listar tarefas e estipular cronogramas para a realização de cada uma delas. Você pode ainda convidar os condôminos a participar formando grupos para reunir ideias a serem debatidas em reunião.

O modelo de visualização do app chama a atenção por ser muito intuitivo, já que foi desenhado com base na metodologia organizacional japonesa kanban, que usa cartões de tarefas organizados em listas, que são apresentadas em um quadro. É gratuito, e também é um dos melhores aplicativos para a gestão do condomínio.

5. Use o OptimizeMe para estabelecer metas

É normal que síndicos e administradores se envolvam profundamente nos problemas do condomínio, trazendo muito estresse para o dia a dia. O OptimizeMe nasceu para cuidar justamente do bem-estar do usuário. O app analisa atividades diárias dentro de quatro categorias: rotina, saúde, criatividade e atividades prazerosas. A partir daí, gera gráficos que indicam o quanto cada uma das atividades interfere nos seus sentimentos.

Você ainda pode estabelecer metas diárias para conquistar seus objetivos (realizar mais atividades físicas ou reservar mais tempo para a família, por exemplo). Disponível apenas no sistema operacional iOS.

6. WhatsApp como aplicativo de comunicação no condomínio

Instalado em praticamente todos os smartphones brasileiros, o WhatsApp pode realmente ser um aplicativo para o condomínio de grande ajuda para fortalecer a comunicação entre moradores. Você pode usá-lo para enviar avisos, marcar reuniões ou realizar pequenas consultas com os condôminos.

É possível criar grupos enormes, com todos os moradores, ou menores, apenas entre membros do conselho ou funcionários, para discutir assuntos pontuais. A popularidade e praticidade são as grandes vantagens. Por outro lado, o app exige do administrador ou síndico certo controle para que as discussões de condomínio não migrem para o universo virtual. Quando bem usado, porém, é de grande valia.

Os aplicativos de celular trazem muitos benefícios, mas nunca se esqueça de que é nas ações do dia a dia que você será capaz de tornar a sua administração impecável e bem aceita entre os moradores.

Busque soluções para otimizar as contas e tornar a sua gestão mais eficiente. A Fasterm, por exemplo, possui uma solução de aquecimento de água que pode gerar muita economia. Faça uma simulação agora e beneficie-se pelo que há de melhor no mercado!

4 DICAS PARA DIMINUIR O VALOR DA CONTA DE CONDOMÍNIO

Como diminuir a conta de condomínio: 4 dicas

A preocupação com o valor da taxa condominial é uma constante em qualquer condomínio, independentemente de seu tamanho. É importante aprender medidas econômicas para diminuir a conta de condomínio.

Em razão disso, estratégias para economizar são pautas frequentes nas assembleias, recaindo sobre o síndico a responsabilidade de regular os gastos e fazer um planejamento econômico favorável aos condôminos, seja com a ajuda de uma administradora ou não.

E, especialmente diante de crises econômicas, essa tarefa – que, convenhamos, não é nada fácil – pode se tornar bem mais simples e eficiente com alguns pequenos truques.

Pensando nisso, preparamos este post para te ajudar a tomar decisões mais estratégicas, auxiliar no controle de gastos do condomínio e manter os moradores mais tranquilos e felizes.

Acompanhe!

1.  Reveja a folha de empregados

Normalmente, os condomínios tendem a reduzir os custos com funcionários fazendo com que cada um dos seus contratados seja responsável pelo máximo de atividades possível.

Um exemplo prático do que não dá muito certo é colocar o zelador para cuidar da limpeza dos espaços comuns, da segurança, da jardinagem, do tratamento da piscina, da pintura da garagem, da TV coletiva, das ligações elétricas de emergência e de muitas outras coisas.

Pode até parecer econômico por concentrar as atividades em uma pessoa só, mas é preciso verificar, na ponta do lápis, se essa ideia é de fato mais vantajosa do que contratar um profissional para funções específicas – que podem até ser agrupadas, mas que ele consegue executar com proveito por estarem dentro de seus conhecimentos práticos ou técnicos.

Afinal, muito provavelmente, o zelador não terá tempo para se dedicar a cada atividade como deveria, o que pode culminar em despesas extras com outros profissionais para realizar os mesmos serviços, não executados apropriadamente.

Logo, uma decisão que era pra ser econômica pode acabar gerando ainda mais gastos, prejuízo ao condomínio e dores de cabeça decorrentes das reclamações dos condôminos.

Uma solução prática para diminuir a conta de condomínio é substituir a portaria presencial pela virtual, em que a recepção é feita por interfone, de maneira remota. Outra possibilidade é a terceirização de serviços de limpeza e manutenção, reduzindo o peso dos encargos trabalhistas.

2. Economize nos gastos fixos

Os custos com aquecimento de água para banho, por exemplo, estão entre os maiores custos operacionais de um edifício. Mas, reavaliando o gasto energético do condomínio, e adotando tecnologias que ajudem a promover maior economia, é possível conseguir melhores resultados sem interferir no conforto dos moradores.

Buscar alternativas aos aquecedores a gás ou resistência elétrica, por exemplo, tem se tornado tendência e pode resultar em economias expressivas em curto espaço de tempo, possibilitando, inclusive, a realocação de investimentos.

Seguindo o exemplo de regiões da Europa, além dos Estados Unidos e Canadá, o Brasil tem aderido à substituição dos chuveiros elétricos por sistemas mais assertivos de aquecimento de água como, por exemplo, as bombas de calor.

A solução, que tira calor do ar para aquecer a água, é também mais sustentável e perfeitamente adaptável a condomínios prediais, podendo representar uma boa saída para evitar cotas extras e gerar caixa para futuras reformas ou melhorias no condomínio.

Analisar as vantagens dessa tendência mundial para aquecimento de água que agora chega com intensidade ao Brasil é um investimento de tempo que pode trazer grandes benefícios e enorme economia de dinheiro para seu condomínio.

3. Atenção aos pequenos gastos ajudam reduzir os custos

Existem despesas que parecem pequenas, considerando os gastos gerais do condomínio, mas que, quando somadas, pesam no bolso dos condôminos sem necessidade.

Um exemplo é a compra de produtos de limpeza. É preciso pensar cuidadosamente na quantidade e no prazo de validade, para evitar deterioração e desperdícios – ou seja, dinheiro jogado fora.

Outro ponto interessante tem a ver com a contratação de serviços. Antes de se decidir por um serviço de jardinagem, reparo ou construção, faça no mínimo de três a cinco orçamentos e busque referências outros síndicos de outros condomínios próximos ao seu.

Afinal, mesmo que a diferença entre um preço e outro não seja significativa, ela pode cobrir eventuais despesas no futuro. Cada centavo conta quando falamos em custo-benefício a longo prazo!

4. Faça campanhas internas para reduzir custos

Economia de água na lavagem de louças, de roupa ou na diminuição do tempo de banho – inclusive deixando de fazer a barba debaixo do chuveiro ligado – podem ser alguns exemplos de campanhas internas bem-sucedidas que podem diminuir a conta de condomínio, principalmente agora que o valor do fornecimento dessa importante fonte de energia está marcado por bandeiras e atrelado ao nível de água das hidrelétricas.

Além disso, todo condomínio predial deve ter a manutenção preventiva como uma de suas prioridades, que são significativamente mais baratas que as obras de reparação.

Algumas delas são manutenção de elevadores, impermeabilização, verificação de vazamentos, inspeção de para-raios… Tudo isso evita obras de grande porte e, consequentemente, alto custo para os condôminos.

Ainda nesse tópico, a escolha de soluções que requeiram menos manutenções preventivas também é uma forma de economizar.

Quer continuar por dentro das soluções mais assertivas e econômicas para a gestão do seu condomínio? Assine a nossa newsletter no formulário ao lado e receba nosso conteúdo exclusivo em primeira mão!

Até a próxima!

Como fazer um planejamento anual para gestão do condomínio

Planejamento anual do condomínio: Veja como fazer

Conforme artigos que já publicamos, entender a gestão condominial como Processos de Negócio e fazer o planejamento anual do condomínio é uma das melhores maneiras de otimizar a gestão, melhorar o uso dos recursos disponíveis, sejam financeiros, humanos ou insumos de qualquer natureza.

Para isso, o ideal é que, ao iniciar um novo ano, o Síndico desenvolva alguns documentos que irão ajudá-lo a controlar as atividades no condomínio.

Três documentos são fundamentais: um plano de ação, para o que deverá ser alterado ou implementado no condomínio; um modelo de controle financeiro, para manter as receitas e despesas sob controle; um cronograma de manutenção preditiva/preventiva, para garantir a segurança e o controle das instalações.

O que você vai ler neste artigo:


Como elaborar um plano de ação

O plano de ação deverá abordar soluções para problemas recorrentes, antecipação àqueles previstos para ocorrer ou, ainda, melhorias a fim de reduzir custos ou aumentar a satisfação dos condôminos.

Existem diversas formas e métodos para elaborar um plano de ação, mas podemos simplificar a elaboração deste documento em alguns passos:

Defina os objetivos

Os objetivos podem ser desde questões diretas, como a criação de um playground nas áreas comuns, até ações que priorizem reduzir custos do condomínio e que, portanto, merecem uma análise ainda mais atenta e profunda.

O importante, acima de tudo, é que os objetivos sejam plausíveis. Para isso, chegamos à segunda etapa:

Crie metas mensuráveis

Quaisquer que sejam os objetivos, para que o desenvolvimento seja perceptível e para que erros ou falhas de planejamento possam ser corrigidas em tempo hábil é necessário “quebrar” esses objetivos em etapas no planejamento anual do condomínio.

Para os exemplos acima, as etapas do objetivo “criar playground” podem ser: proposição do tema na assembleia de condomínio, definição do espaço a ser alocado para a instalação do playground, levantamento dos custos para compra dos brinquedos, etc.

Já para o objetivo “Reduzir gastos do condomínio”, a primeira etapa seria verificar quais são esses gastos. A partir daí, e para cada um deles, pensar em possíveis soluções. Inspecionar o condomínio em busca de vazamentos, para evitar desperdício de água, ou considerar novos modelos de aquecimento de água, para reduzir os custos com aquecimento, são opções viáveis.

A vantagem das metas mensuráveis é que possibilitam a criação de um cronograma, transformando uma ideia (um conceito vago, abstrato, uma intenção) em um projeto com análises e conclusões técnicas que justificam e facilitam a defesa da proposta perante a assembleia do condomínio e sua aprovação.

Um projeto que torna claro os objetivos propostos, com início, meio e fim definidos em uma sequência de atividades relacionadas.

O que nos leva ao próximo passo do Plano de Ação:

Liste as tarefas envolvidas nesses objetivos

Pensar em uma tarefa de forma absoluta torna impossível mensurar os prazos e custos com sabedoria e impossibilitam uma análise gradativa do cumprimento da meta. Por outro lado, quebrar etapas maiores em micro tarefas permite maior controle e organização do processo.

Um plano de ação não precisa de um cronograma muito estrito, mas a definição dos componentes de cada uma das tarefas relacionadas aos objetivos levantados dá uma ideia mais realista dos desafios a serem enfrentados, levantamento de custos e definição de um cronograma.

Crie um cronograma de relatórios no planejamento anual do condomínio

Combinar com os colaboradores de cada projeto datas regulares para retorno quanto ao andamento das tarefas referentes a cada objetivo dará ao Síndico uma visão do todo, noção do que está evoluindo ou atrasando e capacidade de priorizar tarefas, além de corrigir erros antes que impactem em outras etapas dos objetivos elencados no planejamento anual do condomínio.

Com tudo isso em mente, é hora de documentar o trabalho para iniciar a execução.

Liste os objetivos do planejamento anual do condomínio

Uma planilha para apresentação e controle do plano de ação pode ser facilmente elaborada no Excel, conforme modelo abaixo:

Em inglês, usam uma sigla para nortear a criação de planos de ação, que você pode aproveitar para desenvolver uma planilha eficiente: chamam de SMART (Esperto, em português). As letras significam ESpecífica, Mensurável, Atingível, Relevante, Temporal.

Isso significa que suas metas devem:

  • ter um foco bem definido;
  • possibilidade de serem medidas;
  • possibilidade de serem alcançadas;
  • ser importantes para a gestão do condomínio;
  • ser atingidas em determinado espaço de tempo.

Com esses conceitos em mente, é mais fácil pensar as tarefas e planilhas de um condomínio de forma organizada, por mais volumosas que sejam.

Como elaborar a planilha de controle financeiro

É indispensável que o Síndico saiba prever e controlar as receitas e despesas do condomínio.

Para realizar esse planejamento e garantir a execução dos projetos do condomínio, alguns passos precisam ser tomados para a elaboração de planejamento assertivo:

Saiba quais são as despesas do condomínio

Este levantamento pode ser feito nos controles de gastos dos anos anteriores. Os valores não precisam (e não serão) idênticos, mas é possível trabalhar com estimativas.

As despesas ordinárias e extraordinárias mais comuns de condomínios são:

Despesas ordinárias

  • Pessoal e RH;
  • Consumo (Água, Luz, Gás);
  • Manutenção e conservação;
  • Administrativas (Contador, Empresas Terceirizadas…);
  • Materiais;
  • Seguro.

Despesas Extraordinárias

  • Emergências
  • Benfeitorias
  • Ressarcimentos e reparações

Além disso, é fundamental que o condomínio tenha um fundo de reserva, no qual seja depositada toda a receita sobressalente, para garantir o financiamento de novos investimentos e também para sanar imprevistos.

Mantenha um rígido controle financeiro e realize ajustes sempre que necessário na gestão do condomínio

Nem sempre nossos planos caminham como deveriam. O Síndico deve estar pronto para identificar alterações no planejamento financeiro e informar aos condôminos sobre as alterações necessárias no planejamento anual do condomínio.

Isso tudo é uma das maneiras para economizar evitar gastos desnecessários no condomínio. Para isso, o próximo documento é crucial:

Cronograma de manutenção preventiva para o condomínio

Um bom cronograma de manutenção irá reduzir em até 70% os custos de manutenção do condomínio. Manter em bom estado as instalações e equipamentos é sempre mais barato do que precisar comprar equipamentos novos ou realizar reformas e reparos.

Existe uma normativa da ABNT (NBR 15575) que dispõe sobre manutenção predial preventiva e deve ser de conhecimento do Síndico, ou de seu funcionário encarregado do controle e supervisão dos processos de manutenção.

Este documento possui um anexo com a descrição de diversas atividades. Só é necessário adaptar à realidade do condomínio e manter o controle e fiscalização das atividades, garantindo que sejam realizadas conforme previsto. Existem também modelos online de cronogramas, além de softwares que facilitam esse controle.

Por fim, lembre-se: esses controles e planos devem passar pelas Assembleias, de modo a garantir uma gestão do condomínio transparente.

Essas informações foram úteis para você? Gostaria de conhecer mais soluções para a boa gestão condominial? Então assine a nossa newsletter na lateral desta página e saiba como a Fasterm pode ajudar a gerir melhor os gastos do seu condomínio!